Circo Mínimo
news menu leftnews menu right
 

Rodrigo Matheus :: Formado em Artes Circenses pelo Circo Escola Picadeiro de São Paulo e Fool Time Circus Arts da Inglaterra, Rodrigo Matheus iniciou sua carreira teatral em 1978 e sua carreira circense em 1985. Com o espetáculo "Circo Mínimo", de 1988, do qual foi autor, produtor e protagonista, iniciou sua pesquisa sobre a ligação entre o circo e o teatro.

Antes e depois disso, participou de vários espetáculos no cenário teatral paulistano, como "Sonho de Uma Noite de Verão" (realizado na piscina do Ibirapuera, em 1987), "Drácula" (protagonizado por Raul Cortez), "Pentesiléias" (com Bete Coelho e Giulia Gam) e "A Cidade Muda", grupo do qual foi co-fundador. Depois de "Circo Mínimo", Rodrigo Matheus passou cinco anos entre Inglaterra e França, onde trabalhou com companhias como Ra Ra Zoo, Circus Moon, Fool Time, Les Oiseaux Fous e Cirque Fratellini, todas circenses, de tendências tradicionais e contemporâneas.

Em Londres, fundou o duo "No Ordinary Angels", que se tornou um dos expoentes do New Circus europeu. Com esse duo, foi à Austrália em 1996 para trabalhar com o Circus Oz, e à Europa apresentar “Deadly”, entre 1998 e 2004.

Desde 2000, vem dirigindo espetáculos, sempre utilizando técnicas circenses em contextos teatrais: "A Ponte", com o Grupo Trampulim, de Belo Horizonte, "Ladrão de Frutas", "Fantasmas" - com a Central do Circo, para a abertura do Festival de Curitiba -, "História de Pescador" - com a Cia Circo Mínimo, para a piscina do Sesc Consolação SP, “Babel” em 2002, “Miranda e a Cidade”, de Aimar Labaki, em 2008 no Teatro Popular do SESI e "NuConcreto". Em 2005, criou e dirigiu, com Carla Candiotto, o espetáculo “The New Breed” e em 2006 “Love Happens”, ambos para a NICA, National Institute of Circus Arts, na Austrália, o primeiro apresentado na Sidney Opera House e o segundo no Commonwealth Games em Melbourne.

Coordenou o trabalho de ocupação aérea na inauguração das unidades do Sesc Santo André, em 2002, e SESC Pinheiros, São Paulo, em 2004.

Atualmente, Rodrigo apresenta-se como ator nos espetáculos “João e Pé de Feijão” (espetáculo infantil) e “Quixote” (espetáculo de rua). Seu último trabalho foi dirigir “O Pequeno Príncipe”, em 2009 produção do grupo Ponte pra Luz, de Campinas.

Como professor de técnicas circenses aplicadas ao teatro, além de várias oficinas ministradas pelo Brasil, Rodrigo Matheus é professor convidado do Circus Space, de Londres, Circus Oz, National Institute of Circus Arts – NICA – e Flying Fruit Flys da Austrália, do Ballet da Cidade de São Paulo e da Escola Livre de Teatro de Santo André.

Uma de suas atividades atuais é a coordenação do CEFAC – Centro de Formação Profissional em Artes Circenses, fundado e dirigido por ele junto com Alex Marinho. É um dos responsáveis pelas seleções de artistas para o Cirque du Soleil em São Paulo.

 

  

 

 

  
  
Ricardo Rodrigues :: Ator e Circense. Graduado em Artes Cênicas pela Universidade São Judas em 1996 e Especialista em Técnicas Aéreas Circenses desde 1999.
Fundador da Cia Solas de Vento, em parceria com Bruno Rudolf, que experimenta a linguagem circense aliada ao teatro e à dança.
Trabalhou com os diretores Antonio Januzelli Jano, Carla Candiotto, Cristiane Paoli Quito, Debora Dubois, Eric Nowinski, Adriana Grechi, Kris Niklison, Antonio Abujamra, Francisco Medeiros, Hugo Possolo, Jairo Matos, Mark Bromilow, Naum Alves de Souza, Rodrigo Matheus e Sandro Borelli. Realizou parcerias com Circo Mínimo, Linhas Aéreas, Circo Zanni, Núcleo Artérias, Circo Fractais, Circo Vox, Acrobático Fratelli, Circo Nosotros, Central do Circo.
Foi artista selecionado pelo Cirque Du Soleil nas categorias ”Acrobata Aéreo” e “Ator Físico”. Atualmente circula com o repertório da Cia Solas de Vento pelo país e exterior.
Alguns dos principais espetáculos são: VIAGEM AO CENTRO DA TERRA, direção de Eric Nowinski, criação e realização Cia Solas de Vento. Indicado como melhor espetáculo, melhor ator e melhor trilha original no prêmio FEMSA 2015. MEMÓRIA ROUBADA – direção Mark Bromilow - realização SOLAS DE VENTO, LINHAS AÉREAS e Cie.LES DEUX MONDES.
Vencedor Do Premio da Cooperativa Paulista de Teatro na categoria Melhor Integração de Linguagens Cênicas e Multimídia. A VOLTA AO MUNDO EM 80 DIAS, direção Carla Candiotto, realização SOLAS DE VENTO. Vencedor Dos Prêmios APCA nas categorias de Melhor Ator e Melhor Direção e FEMSA na categoria de Melhor Ator. NUCONCRETO, direção Rodrigo Matheus e Alexandre Roit. MIRANDA E A CIDADE, de Aimar Labaki, direção Rodrigo Matheus. CIRCO ZANNI – direção Domingos Montagner.


 

 




 
Ronaldo Aguiar :: Palhaço, bailarino e acrobata aéreo, trabalhou e participou das companhias de circo mais conhecidas no Brasil como Circo Roda, Circo Marcos Frota, Circo Zanni e Academia Brasileira de Circo.
Em 2015 Ronaldo ganhou o Prêmio São Paulo de Incentivo ao Teatro Infantil e Jovem (antigo FEMSA) na categoria Melhor Ator por sua atuação no espetáculo “Simbad, O Navegante”, do Circo Mínimo.
É bailarino formado no Studio de Danças de Recife, onde estudou por cinco anos e pelo Espaço Experimental de Dança (mais cinco anos).
Fez várias oficinas de dança contemporânea e danças populares e, atualmente, cursa Licenciatura em Dança na FPA, em São Paulo.
Aprendeu técnicas circenses na Escola Pernambucana de Circo, onde estudou por sete anos (até 2007); fez também várias oficinas de teatro e palhaço (Léris Colombaioni, Norman Taylor, Django Edwards, Cláudio Ivo, Fátima Pontes e Roberto Lúcio.
Como palhaço, trabalhou nos circos Roda Brasil (três temporadas), Circo Crescer e Viver, Bagun SA, Circo dos Sonhos e Circo Zanni, além dos Doutores da Alegria, onde trabalha até hoje.
É também diretor de números e espetáculos que utilizam as técnicas corporais da dança, do circo e do palhaço.
Educador, acrobata e palhaço TRUPE CIRCUS da Escola Pernambucana de circo período 2001 a 2007. CARAVANA MEMORIAS DE UM PICADEIRO – Direção: Chico Pelúcio, indicado ao Premio de Melhor Ator no Prêmio FEMSA 2012. Dirigiu o numero de trapézio CAFÉ DA MANHÃ, projeto contemplado com o PROAC 2011. Dirigiu o numero de trapézio triplo AS AMAZONAS, projeto contemplado com o PROAC 2011. Preparador corporal e coreografo do espetáculo TRÊS VARIANDO da Trupe Irmãos Atadas de São Paulo em 2012. Ator do espetáculo POEMAS ESPARADRAPICOS O MUSICAL com Doutores da Alegria, Recife 2004. Direção Fernando Escrich. Palhaço do elenco da ong. DOUTORES DA ALEGRIA de 2002 a 2015. Circo Zanni temporada 2013.

  
   
   
   
   
 


ZOL DESIGN - XHTML and CSS.